Museus no Futuro – Relatório

Hoje, após uma breve e agradável conversa que resulta neste texto, dei comigo a pensar no tempo que passou desde que comecei o Mouseion, nas transformações que o panorama museológico sofreu desde então e no que já vi de bom e mau acontecer durante este tempo no nosso sector. Na altura que o criei, pensei nele como um instrumento de reflexão sobre os museus, sobre aquilo que poderiam ser os museus no futuro, ou naquilo que eu imaginaria que viessem a ser.

É sempre um tema que me apraz discutir. O que queremos, enquanto comunidade e enquanto profissionais do sector, fazer para ter melhores museus, mais eficientes, com mais recursos, com mais público, com capacidade para dar a conhecer o passado (bom e mau), assumindo o seu papel social como espaços de liberdade e debate sobre o presente, melhorando os seus procedimentos, imbuídos num espírito de auto-crítica e de avaliação contínua, transparentes e divertidos.

Museu do Futuro
Museu do Futuro
Shaun Killa
Dubai, Emirados Árabes Unidos

Por isso, agradecendo desde já à Clara Camacho a partilha, é com enorme prazer que partilho com todos vocês, o relatório preliminar que o Grupo de Projeto Museus no Futuro apresentou à Ministra da Cultura e que estará, até final do presente mês, em consulta pública para receber os nossos comentários, críticas e sugestões.

Não tive, porque o recebi hoje apenas, a oportunidade de o ler com o cuidado que merece o trabalho dos nossos colegas que constituíram este grupo, mas irei ler, reflectir e partilhar com a Clara, bem como por aqui, as minhas sugestões, críticas e sugestões.

Sei que os membros da equipa estão abertos a todas as contribuições dos profissionais do sector e por isso cabe-nos agora a responsabilidade de reflectir e propor aquilo que cada um de nós considera importante para os Museus no Futuro.


Missão do Grupo de Projeto Museus no Futuro

Identificar, conceber e propor medidas que contribuam para a sustentabilidade, a acessibilidade, a inovação e a relevância dos museus sob a dependência da Direção-Geral do Património Cultural e das Direções Regionais de Cultura.” (No 1 da RCM no 35/2019, de 18 de fevereiro)

Âmbito

Na sua génese, o projeto incidia nos Museus e Palácios na dependência da DGPC e das DRC. Este universo foi posteriormente alargado, passando a abranger os Museus, Palácios e Monumentos (MPM) contemplados pelo diploma que estabelece o respetivo regime de autonomia, o Decreto-Lei no 78/2019, de 5 de junho. Assim, o projeto incide nas mais de três dezenas de Museus, Palácios e Monumentos dependentes de dois tipos de entidades tutelares da área da Cultura:

  • o organismo da Administração Central do Estado – a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), da qual dependem Museus Nacionais, Palácios Nacionais e Monumentos Património Mundial;
  • as quatro entidades da Administração Central desconcentrada – as Direções Regionais de Cultura (DRC do Norte, Centro, Alentejo e Algarve), que assumem a tutela de museus e de monumentos para elas transferidos na reestruturação administrativa do Estado, em 2012.

Os Museus, Palácios e Monumentos estão, nalguns casos, agrupadas em unidades orgânicas compósitas para fins de gestão e sob a coordenação de um único diretor. Para efeitos da sua caraterização e de aprofundamento do conhecimento, optou-se pontualmente pela sua desagregação:

  • no total de 37 unidades em análise.

É sobre este conjunto, diverso em tipologias patrimoniais e territorialmente disperso, que recai a reflexão deste Grupo de Projeto.