Museus no Futuro – Relatório

Hoje, após uma breve e agradável conversa que resulta neste texto, dei comigo a pensar no tempo que passou desde que comecei o Mouseion, nas transformações que o panorama museológico sofreu desde então e no que já vi de bom e mau acontecer durante este tempo no nosso sector. Na altura que o criei, pensei nele como um instrumento de reflexão sobre os museus, sobre aquilo que poderiam ser os museus no futuro, ou naquilo que eu imaginaria que viessem a ser. É sempre um tema que me apraz discutir. O que queremos, enquanto comunidade e enquanto profissionais do sector, fazer para ter melhores museus, mais eficientes, com mais recursos, com mais...

Virtual vs Físico. A luta não existente

Ontem, e em boa hora, participei no colóquio digital do ICOM Portugal que tinha o sugestivo título “Como sentir (na web) o peso do ar e da pedra?” e foi suscitado pelo texto provocatório da Patrícia do Vale com o seguinte título “Tudo será ainda instagramável? O museu por reinventar”. No debate fiquei ainda mais certo daquilo que tenho dito, em diversos locais, sobre esta dicotomia do Virtual vs Físico e da inexistência de uma luta titânica entre estes dois aspectos das nossas vidas. São vários os pontos que abordei durante o debate, mas tal como lá, vou aqui organizá-los em 5 pontos (lá foram 4 na intervenção...

Uma pandemia no Museu Mai28

Uma pandemia no Museu

Se estão a pensar que o título deste post é uma referência à série “Uma aventura” da Ana Maria Magalhães e da Isabel Alçada, acertaram em cheio! Uma pandemia nos museus, uma pandemia na escola, uma pandemia no teatro, uma pandemia no café, uma pandemia na mercearia, e por aí fora, poderia motivar uma das melhores séries para o tempo em que vivemos. Uma pandemia no Museu, procura, sem o arrojo de me aproximar da qualidade das autoras acima mencionadas, ser o mote para a reflexão que tenho feito sobre o que será o Museu neste tempo e no futuro. O Museu Nelson-Atkins recebeu alguns visitantes inusitados: pinguins.Imagem daqui....

Acesso remoto aos Si...

Inspirado pela ideia da Collections Trust que resultou neste artigo, lembrei-me de fazer um breve inquérito para com a ajuda dos meus amigos e colegas que trabalham, ou melhor teletrabalham, em casa através do Sistema de Gestão de Coleções dos seus museus, identificar os principais problemas...

Teletrabalho e tele-escola Abr22

Teletrabalho e tele-...

Parte do meu trabalho é muito digital e pode, sem grandes dificuldades, ser feito à distância, excepção feita para as sessões de formação ou algumas reuniões muito específicas. É uma sorte, bem sei, mas é importante que se diga que o teletrabalho não é só replicar em casa o que se faz no...

Culture Fix

O bom de receber um conjunto de listas de e-mails sobre museus, cultura e tecnologia é conhecer, por vezes, propostas bem interessantes. Os últimos dias tenho recebido muito boa informação por estes canais e tenho partilhado algumas coisas através do Facebook e Twitter, mas o Culture Fix...

Conversas de Muzé | ...

Conversas de Muzé: o Alexandre e a Zé conversam sobre museus como se estivessem num café. O Alexandre e a Zé trabalham na área dos museus e da gestão da informação de património cultural e falam ambos pelos cotovelos. Estas conversas são a gravação do que costumam fazer sempre que se...

Conversas de Muzé | ...

Conhecemo-nos há muitos anos atrás, em Guimarães num encontro sobre Normalização (que mais podia ter sido!?), e tivemos primeiro uma relação profissional que evoluiu, ao longo deste tempo, para uma excelente amizade. A Zé, que em tempos já foi a Maria José com direito a tratamento formal, é...

Da decência nas cedê...

Comecei a escrever este texto após as primeiras notícias sobre o caso da cedência das obras do Museu Nacional dos Cohces para o hotel em Alter do Chão e muito antes de se despoletar todo o drama relativo ao COVID-19. Ainda assim, pela importância do tema, resolvi voltar a ele e deixar aqui...

E agora – Inês Fialho Brandão

Isto é difícil.  Para quem trabalha em museus por vocação, a ordem de fechar portas imediatamente por um período indeterminado, mesmo se antecipada, é um choque emocional. Para a maioria de nós esta é a primeira vez que uma emergência destas acontece.  Não temos escolha senão recompormo-nos rapidamente porque o encerramento sine die de uma instituição que existe porque há objetos a cuidar para os poder mostrar aos outros da melhor maneira que sabemos requer um sem fim de ações para acautelar a segurança e conservação de bens, instalações e equipas.  (Bendito plano de emergência). A mim, a ordem chegou na...