A distância que os separa – Maria Vlachou

O Rijksmuseum disponibiliza 125.000 imagens de alta resolução de obras da sua colecção no Rijksstudio, uma secção interactiva no seu website que permite a qualquer pessoa descarregar estas imagens de grande qualidade para os fins que entender. O objectivo do Museu é adicionar todos os anos 40 mil novas imagens até disponibilizar online a colecção inteira. Lê-se num artigo no New York Times que, consciente da cada vez maior dificuldade em controlar a circulação e uso de imagens na Internet, o Museu, em vez de se agarrar a práticas, exigências e controlos de uma era que passou, considera de maior importância adaptar-se à nova realidade e...

Madrid: uma cidade de museus ou uma cidade de pess...

Recentemente, enquanto bolseira do Deutsches Archäologisches Institut, vivi quatro semanas em Madrid. A escolha do verbo é propositada. Já tinha estado em Madrid várias vezes, mas nunca tinha vivido na cidade. E, no caso de Madrid, isso fez toda a diferença. As vezes em que estive em Madrid deixaram-me a sensação de que não gostava da cidade. É fácil, como turista, não gostar de Madrid. Temos que convir que o centro histórico não tem muito interesse comparado com o de (tantas) outras cidades espanholas. A própria noção de centro histórico é difusa, sobretudo se pensarmos que o núcleo histórico de Madrid é… Toledo. A catedral de Almudena é...

Mais e novos museus – Joana Sousa Monteiro

Em resposta ao repto lançado por Alexandre Matos para participar neste Speaker’s Corner a partir do mote lançado no seu recente post, “Queremos novos museus?” optou-se por relacionar o post com o artigo “We Built Way Too Many Cultural Institutions During the Good Years” da autoria de Emily Badger, publicado em Julho passado no site The Atlantic Cities – Place matters, com base num estudo efectuado pela Universidade de Chicago. (http://www.theatlanticcities.com/arts-and-lifestyle/2012/07/we-built-way-too-many-cultural-institutions-during-good-years/2456/#.UN8wtEY0HsA.facebook) O estudo Americano incidiu sobre o recente boom de criação de...

O Meu Museu é Melhor que o Teu – Cláudia Cam...

– Podia chamar-se “O meu museu é melhor que o teu”. O que achas? – Estás a gozar… – Não… A ideia base era uma: acercar o meio museológico a um público mais generalista, não tão conhecedor da profundidade temática dos museus. E o rasgo inicial fez-se logo através do nome dado ao hipotético programa televisivo online (Speaky TV): “O meu museu é melhor que o teu”. Quem o pensou foi Fernando Alvim, comunicador radiofónico habituado a chegar a grandes audiências; quem teria de o aprovar seria a pessoa que iria dar a cara pelo projecto, neste caso, eu. Alguém totalmente fora das lides televisivas e sem qualquer...

Museumnext 2012 – Maria van Zeller

Este ano o Museumnext teve lugar em Barcelona nos dias 24 e 25 de Maio, a Sistemas do Futuro esteve presente nesta grande conferência internacional. As expectativas eram muitas, pois o programa baseava-se no Museums and Web 2012 que teve lugar em Abril em San Diego (Califórnia). Esta última, na qual a Sistemas Futuro participou em edições anteriores, é o maior evento internacional na área das novas tecnologias da informação e museus que nos permite manter actualizados nestas áreas, pois é um evento que perdura pelo tempo na medida em que funciona como uma rede de partilha de projectos e ideias em várias plataformas e redes sociais. A...

Desabafos a propósito de Património Cultural e Nor...

Quem me conhece sabe que sou uma mulher de normas. Adoro a sigla ISO. E isto tem uma explicação muito simples: sou preguiçosa. Tudo que sirva para me poupar trabalho tem a minha adesão imediata. Se existe uma norma, não é preciso perder tempo a problematizar, conceptualizar e justificar opções: alguém já o fez por nós e deixou pronto a usar. O que é que se pode querer mais? Bom, pode querer-se que as normas façam sentido. Em geral, fazem. Em geral são o resultado do trabalho de gente séria, que se esforçou para encontrar a melhor solução para um problema que afectava muita gente. Fazer uma norma é trabalhar para o bem comum, é do mais nobre...