A colecção (meia) desaparecida

Trabalho com questões de inventário e gestão de colecções há mais de 20 anos. Sim, eu sei, estou velho! Mas esta velhice, dá-me um pouco de experiência e conhecimento de terreno para vos dizer que a colecção (meia) desaparecida, ou melhor, as 170 obras da colecção SEC cuja localização exacta é desconhecida, não é de todo caso único no país (ou mesmo no estrangeiro, esse local onde tudo é uma delícia de tão avançado que vai)! Mas vamos por partes. A Colecção SEC, ou melhor, a Colecção de Arte Contemporânea do Ministério da Cultura (a sigla SEC vem dos tempos da Secretaria de Estado da Cultura) é o resultado de várias aquisições do Estado,...

Notre Dame

Não há como descrever a sensação de perda quando vemos, em directo, através da redes sociais e da televisão, o incêndio na Catedral de Notre Dame de Paris. Incêndio 2019 – Notre Dame | Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP Eu sei, agora todos nós sabemos, que a mais famosa catedral...

Reunião de Inverno d...

Nos próximos dias 7,8 e 9 de Fevereiro a direcção do CIDOC realizará a sua reunião de inverno na Faculdade de Letras da Universidade do Porto que muito amavelmente respondeu positivamente ao pedido que fiz para nos receber, tal como seria de esperar, numa instituição que este ano comemora 25...

Workshop SPECTRUM e ...

No seguimento do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido no SPECTRUM PT estamos a preparar um conjunto de workshops e apresentações da norma SPECTRUM, em parceria com um conjunto de instituições, para faciliar a divulgação e utilização da norma no contexto português e brasileiro. Esta...

CIDOC 2017 – a...

Não falei antes do CIDOC 2017, em Tbilisi, decorrido em Setembro do ano passado, mas hoje tenho um excelente motivo para voltar à nossa conferência anual e dar-vos a conhecer um pouco da experiência deste ano na Geórgia. O motivo, aliás, o excelente motivo é a partilha das apresentações...

Exposições de arte: arquivo, história e investigaç...

Os museus têm feito, ao longo das últimas décadas, um esforço considerável no estudo, documentação e digitalização das suas colecções para poderem, de forma mais eficiente, responder às necessidades colocadas pela introdução das tecnologias nas diversas frentes de trabalho que estas instituições assumem. Pese embora seja uma tarefa gigantesca para os museus (com os recursos que têm), ela nunca poderá estar completa sem um processo de investigação e documentação das exposições que cada museu organizou ou onde esteve representado por um (ou mais) objectos do seu acervo. Acredito que tal afirmação será consensual entre os meus caros amigos,...