Tags

Related Posts

Share This

Da importância do Nacional

Uma falha minha e um alerta de um(a) leitor(a) anónimo(a) do Mouseion fizeram com que pensasse sobre um tema que estará na ordem do dia nos próximos tempos: a passagem de alguns museus tutelados pelo poder central, para outra tutela (Câmaras Municipais e/ou Direcções Regionais de Cultura) conforme intenção do governo, manifestada no Eixo 1 Plano Estratégico do IMC apresentado em 20 de Janeiro de 2010 pela Ministra da Cultura.

A questão é antiga e complexa. Envolve pessoas (funcionários), formas de trabalhar, dependências, vontade política e um conjunto de outros factores que serão fáceis de enumerar para quem conhecer o panorama museológico português. No entanto, sendo um dos eixos do plano estratégico do IMC para os próximos anos, convém pensar sobre o assunto.

Em primeiro lugar, importa saber quais os museus que deixarão a tutela do IMC e quais os critérios para que sejam esses os escolhidos para passar para outra tutela qualquer. Serão os critérios geográficos a decidir a questão? Será a vontade expressa das Câmaras ou das Direcções Regionais de Cultura a decidir o assunto? Será a questão definida pela classificação “nacional” atribuída a alguns dos museus tutelados pelo IMC a definir esta situação? Ficará o IMC apenas com a responsabilidade dos Museus Nacionais? Há uma quantidade grande de questões que podem (devem) ser trazidas à discussão sobre este tema e que espero sejam em breve tratadas (anunciadas) pelo IMC.

Não pensem que eu sou contra a ideia de “descentralização” dos museus do IMC, antes pelo contrário. Em boa verdade julgo que alguns dos museus tutelados pelo IMC teriam a ganhar com uma gestão mais próxima, capaz de mobilizar recursos locais e regionais para melhorar as ferramentas de que esses museus dispõem para cumprir as suas missões. No entanto, o processo de transmissão de tutela (como é de resto mencionado no Plano Estratégico) deve cuidar e garantir os meios e condições para que a continuidade destas instituições (algumas delas centenárias) não seja posta em causa por uma qualquer questiúncula política ou dificuldade financeira.

Aguardemos por mais notícias sobre este assunto.